quarta-feira, 31 de maio de 2017

Senado aprova medida que autoriza descontos em pagamento à vista

O Senado aprovou nesta quarta-feira a medida provisória que autoriza desconto na compra de bens e serviços com pagamento à vista, proibindo os comerciantes de excluírem essa possibilidade conforme a forma de pagamento (dinheiro, cartão de crédito, cheque). A MP perderia validade amanhã, se não fosse votada pelos senadores. O texto agora vai para sanção presidencial.
Sem nenhuma obstrução da oposição, a medida foi aprovada de forma simbólica. O governo editou a medida com o objetivo de estimular a competição entre os diversos meios de pagamento e reduzir os juros do cartão de crédito.

O texto aprovado pelo Senado determina que o lojista informe, em local e formato visíveis ao consumidor, eventuais descontos oferecidos em função do prazo ou do instrumento de pagamento utilizado.
Na prática, a medida provisória legaliza os descontos nas compras à vista ou pagas com dinheiro em espécie. Apesar de já ser adotada em parte do varejo brasileiro, a oferta de desconto em compras à vista era proibida pela legislação. Por isso, muitas lojas cobravam o mesmo preço nas compras com pagamento em dinheiro ou em cartão de crédito.
Essa nova regra foi um dos pontos do pacote de medidas microeconômicas anunciado pelo governo para melhorar o ambiente de negócios e facilitar a retomada do crescimento econômico. Além da redução de preços nas compras em dinheiro, espera-se a corte nas taxas cobradas pelas empresas de cartão, que estão entre as mais altas do mundo.
O Globo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ATENÇÃO LEITOR: O Blog não se responsabiliza pelas opiniões e comentários. Em geral, o nosso Blog não analisa nem endossa o conteúdo dos comentários. Não permitimos o uso de linguagem ofensiva, spam, fraude, discurso de violência, comportamento violento ou negativo, conteúdo sexualmente explícito ou que invada a privacidade de alguém.

IMPORTANTE: Este Blog aceita comentários anônimos mas repudia a falsidade ideológica. Recomendamos aos leitores utilizarem o seu nome, sobrenome e e-mail (caso tenha algum), dos quais sejam legítimos para identificação.