quarta-feira, 10 de maio de 2017

Presidente e deputados debatem com diretoria funcionamento do Hospital da PM

reunião com assessoresO funcionamento do Hospital da Polícia Militar do RN foi tema de reunião na manhã desta quarta-feira (10) entre o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Ezequiel Ferreira de Souza (PSDB), os deputados Tomba Farias (PSB) e George Soares (PR), o secretário estadual de Planejamento, Gustavo Nogueira e uma comitiva formada por médicos da diretoria de Saúde da Polícia Militar. Em pauta, o funcionamento da unidade de saúde que está com pendencias de equipamentos de infraestrutura.

“Reforçamos o apoio do conjunto dos deputados na questão orçamentária da instituição para complementar a execução dos serviços de ampliação do Hospital Central Coronel Pedro Germano, mais conhecido como Hospital da Polícia Militar”, explicou o presidente Ezequiel Ferreira. Ao secretário de Planejamento, Gustavo Nogueira, foi apresentada a possibilidade de remanejamento orçamentário de emendas parlamentares.
O diretor de saúde da PM, Roberto Galvão, pontuou a necessidade de se debater a questão da dotação orçamentária para conclusão da reforma do Hospital da PM.
“O atendimento está restrito a pouco mais da metade da capacidade. A UTI neonatal recebe os bebês nascidos em outros hospitais, mas a maternidade e a UTI adulta não funcionam. A reforma está parada porque a licitação para a climatização ainda não saiu do papel. E o serviço orçado em aproximadamente R$ 4,9 milhões é fundamental para conclusão da obra do hospital”, explicou o diretor de saúde da PM, Roberto Galvão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ATENÇÃO LEITOR: O Blog não se responsabiliza pelas opiniões e comentários. Em geral, o nosso Blog não analisa nem endossa o conteúdo dos comentários. Não permitimos o uso de linguagem ofensiva, spam, fraude, discurso de violência, comportamento violento ou negativo, conteúdo sexualmente explícito ou que invada a privacidade de alguém.

IMPORTANTE: Este Blog aceita comentários anônimos mas repudia a falsidade ideológica. Recomendamos aos leitores utilizarem o seu nome, sobrenome e e-mail (caso tenha algum), dos quais sejam legítimos para identificação.