sábado, 17 de dezembro de 2016

Zagueiro do Chapecoense retorna à Arena Condá e chora

sportv_alan_ruschel_4_20161217084630Muito emocionado, o lateral Alan Ruschel concedeu uma entrevista coletiva na manhã deste sábado (17), na Arena Condá, em Chapecó. Alan recebeu alta na tarde de sexta-feira (16) em Chapecó. Ele foi o primeiro dos quatro sobreviventes brasileiros a ter alta, 17 dias após o acidente aéreo com o avião da Chapecoense, que deixou 71 mortos e seis feridos na Colômbia.
Chorando muito durante as primeiras perguntas dos jornalistas, Alan falou sobre seu futuro. “Farei de tudo para voltar a jogar. Com muita paciência farei de tudo para dar muita alegria para esse pessoal aqui”.
“Tava indo pra um jogo, tu não sabe o que vai acontecer daqui a 10 minutos. O que eu levo da lição é viver a vida, aproveitar a vida e fazer o bem. O que os médicos fizeram por mim durante esses dias não tem explicação
”, disse.
O lateral não se lembra do acidente. “Lembro de a gente chegando em Santa Cruz de la Sierra, em barcando. não lembro do voo. Não lembro do acidente. Lembro depois da minha esposa Marina falando comigo lá no hospital.” O jogador afirmou que trocou de lugar durante o voo. “Eu estava sentando mais pra trás e o Cadu pediu pra eu sentar mais na frente pros jornalistas sentarem no fundo”.
Ele também falou sobre a volta para casa depois de tantos dias hospitalizado. “Poder dormir com a minha esposa, ver meu cachorro, minha mãe. Todo mundo em casa. É uma sensação única, não tem explicação”. “A primeira coisa que pedi para comer foi feijão, arroz a bife acebolado. Foi muito bom”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ATENÇÃO LEITOR: O Blog não se responsabiliza pelas opiniões e comentários. Em geral, o nosso Blog não analisa nem endossa o conteúdo dos comentários. Não permitimos o uso de linguagem ofensiva, spam, fraude, discurso de violência, comportamento violento ou negativo, conteúdo sexualmente explícito ou que invada a privacidade de alguém.

IMPORTANTE: Este Blog aceita comentários anônimos mas repudia a falsidade ideológica. Recomendamos aos leitores utilizarem o seu nome, sobrenome e e-mail (caso tenha algum), dos quais sejam legítimos para identificação.