segunda-feira, 16 de maio de 2016

Agripino sobre déficit fiscal: herança maldita deixada pelo governo do PT

agripino_PTO presidente nacional do Democratas, José Agripino (RN), disse nesta segunda-feira (16) que um dos principais desafios do governo Michel Temer será “construir pequenos superávits” para tentar reverter a “herança maldita” deixada pelo governo do PT: o desemprego. O senador pelo Rio Grande do Norte acredita ainda que a revisão da meta fiscal deve ser debatida, revista e apreciada com urgência pelo Congresso Nacional.
“O déficit fiscal é produto da gastança do governo que passou. O governo que está começando está saindo da gastança para a poupança. E, na medida em que anuncia os caminhos da poupança, diminuindo o número de ministérios, de cargos comissionados e de muitas outras atitudes que virão, a confiança dos empregadores e da sociedade virá, por via de consequência, tirando as pessoas da situação de desemprego para reemprego”, acredita o parlamentar pelo Rio Grande do Norte.
O déficit das contas públicas deverá ultrapassar os R$ 96,6 bilhões previstos pela equipe do ex-ministro Nelson Barbosa. Mas integrantes da Comissão de Orçamento falam de um déficit de, ao menos, R$ 125 bilhões. “Se o ministro do Planejamento trouxer elementos convincentes, que demonstrem claramente que a revisão do déficit fiscal é um imperativo nacional, Câmara e Senado irão se render aos números. Esse déficit é uma herança maldita que o novo governo está recebendo do governo que terminou e terá de ser digerido para ser superado”, destacou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ATENÇÃO LEITOR: O Blog não se responsabiliza pelas opiniões e comentários. Em geral, o nosso Blog não analisa nem endossa o conteúdo dos comentários. Não permitimos o uso de linguagem ofensiva, spam, fraude, discurso de violência, comportamento violento ou negativo, conteúdo sexualmente explícito ou que invada a privacidade de alguém.

IMPORTANTE: Este Blog aceita comentários anônimos mas repudia a falsidade ideológica. Recomendamos aos leitores utilizarem o seu nome, sobrenome e e-mail (caso tenha algum), dos quais sejam legítimos para identificação.