sábado, 2 de janeiro de 2016

Maior jornal do mundo faz mapa da corrupção do futebol com Brasil na liderança

futebol_C
Considerado o jornal mais importante do mundo, o New York Times publicou um mapa da corrupção do futebol mundial, que tem o Brasil como destaque. No infográfico, o diário mostra a nacionalidade e os crimes a quais todos os acusados do Fifagate respondem após as investigações do FBI, que prenderam dirigentes de alto escalão.
O Brasil é quem mais tem cartolas ou executivos investigados atualmente, com seis, seguido pela Argentina, que tem cinco. Trinidad & Tobago e Guatemala aparecem em seguida, com três.
Os brasileiros na mira da Justiça dos EUA são Marco Polo Del Nero (presidente licenciado da CBF), José Hawilla (dono da Traffic), José Margulies – conhecido como José Lázaro – e Fábio Tordin (empresários de marketing esportivo), além de José Maria Marin e Ricardo Teixeira, ambos ex-presidentes da CBF. Desses, Hawilla, Margulies e Todin se declararam culpados, Marin alegou inocência e Del Nero e Teixeira seguem sendo investigados.
Curiosamente, o infográfico foi ao ar no mesmo dia em que Joseph Blatter, ex-presidente da Fifa, e Michel Platini, ex-mandatário da Uefa, foram suspensos do futebol por oito anos pelo Comitê de Ética da Fifa.
futebol_C2
O mapa da corrupção ainda traz outros dados curiosos, como a idade média dos acusados (62 anos) e os valores de indenização que cada um concordou em pagar à Justiça. O maior acordo foi a de J. Hawilla: US$ 151 milhões (quase R$ 600 milhões).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ATENÇÃO LEITOR: O Blog não se responsabiliza pelas opiniões e comentários. Em geral, o nosso Blog não analisa nem endossa o conteúdo dos comentários. Não permitimos o uso de linguagem ofensiva, spam, fraude, discurso de violência, comportamento violento ou negativo, conteúdo sexualmente explícito ou que invada a privacidade de alguém.

IMPORTANTE: Este Blog aceita comentários anônimos mas repudia a falsidade ideológica. Recomendamos aos leitores utilizarem o seu nome, sobrenome e e-mail (caso tenha algum), dos quais sejam legítimos para identificação.