domingo, 3 de janeiro de 2016

Durante assalto, mulher tenta retirar filha de carro e é morta em Natal

Gizela Mousinho foi assassinada na nopite deste sábado (2), em Natal (Foto: Arquivo Pessoal)Uma mulher foi morta na noite deste sábado (2) durante um assalto em frente a uma padaria na Zona Sul de Natal. Gizela Mousinho Paiva da Silva, de 43 anos, foi baleada quando tentava retirar a filha e o namorado de dentro do carro para evitar que os adolescentes fossem levados pelos assaltantes. A polícia do Rio Grande do Norte ainda não tem informações do paradeiros dos criminosos.
Gizela foi abordada assim que chegou a uma padaria na rua Padre Champagnat, no bairro Lagoa Nova. Ele foi obrigada a descer do carro e seguiu para a calçada, mas decidiu voltar para o veículo ao ver que a filha e o namorado dela ainda estavam no veículo. Assim que abre a porta, Gizela é baleada.
De acordo com informações repassadas pela polícia, o crime foi cometido por um trio - dois homens e uma mulher - que chegou a pé. Ainda segundo a polícia, a mulher é quem teria atirado em Gizela.

Diligências foram realizadas e o veículo roubado foi encontrado no bairro Cidade da Esperança, bairro da Zona Oeste. Até o momento ninguém foi preso.
As imagens da câmera do circuito de segurança devem ajudar a polícia e identificar os autores do latrocínio. O caso será investigado pela equipe da Delegacia de Homicídios.
O corpo de Gizela Mousinho foi levado para exames no Instituto Técnico e Científico de Polícia (Itep) e liberado para sepultamento. O velório e o enterro serão realizados neste domingo (3).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ATENÇÃO LEITOR: O Blog não se responsabiliza pelas opiniões e comentários. Em geral, o nosso Blog não analisa nem endossa o conteúdo dos comentários. Não permitimos o uso de linguagem ofensiva, spam, fraude, discurso de violência, comportamento violento ou negativo, conteúdo sexualmente explícito ou que invada a privacidade de alguém.

IMPORTANTE: Este Blog aceita comentários anônimos mas repudia a falsidade ideológica. Recomendamos aos leitores utilizarem o seu nome, sobrenome e e-mail (caso tenha algum), dos quais sejam legítimos para identificação.