sábado, 24 de outubro de 2015

Cinco são indiciados por divulgarem fotos de vítima de acidente no RN

carro_micheleA Polícia Civil do Rio Grande do Norte indiciou nesta sexta-feira (23) cinco pessoas por terem usado um aplicativo de celular e uma rede social para divulgar fotos de uma mulher morta em um acidente na cidade de Monte Alegre, na Grande Natal. Os suspeitos foram indiciados por vilipêndio de cadáver, que é considerado crime contra o respeito aos mortos, previsto no artigo 212 do Código Penal Brasileiro.
A bancária Michelle Maria da Cunha Custódio de Barros, de 31 anos, morreu ao se envolver em um acidente de trânsito na RN-316 no dia 15 de maio. Depois do acidente, os cinco suspeitos fotografaram e filmaram o corpo da vítima e usaram a rede social Facebook e aplicativo WhatsApp para divulgar as imagens.


A Delegacia de Polícia Civil de Monte Alegre abriu inquérito para investigar o uso das imagens e indiciou os quatro homens e uma mulher. O inquérito foi concluído nesta sexta.

O delegado Marcel George Gouvêa, responsável pelo inquérito, recordou o recente caso envolvendo o cantor Cristiano Araújo, morto em um acidente em junho deste ano. O músico teve imagens de seu corpo no necrotério divulgadas na internet. Os responsáveis pelos registros foram indiciados pelo mesmo crime.

O marido da bancária, Valderi de Barros, prestou depoimento e informou que lembrava de pessoas fotografando e filmando o local do acidente e o corpo de sua mulher. De acordo com ele, os policiais que estavam no local orientaram os suspeitos a parar de fotografar e filmar, mas não foram atendidos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ATENÇÃO LEITOR: O Blog não se responsabiliza pelas opiniões e comentários. Em geral, o nosso Blog não analisa nem endossa o conteúdo dos comentários. Não permitimos o uso de linguagem ofensiva, spam, fraude, discurso de violência, comportamento violento ou negativo, conteúdo sexualmente explícito ou que invada a privacidade de alguém.

IMPORTANTE: Este Blog aceita comentários anônimos mas repudia a falsidade ideológica. Recomendamos aos leitores utilizarem o seu nome, sobrenome e e-mail (caso tenha algum), dos quais sejam legítimos para identificação.