quarta-feira, 7 de outubro de 2015

Bebê morre depois de consumir cocaína dada pela própria mãe


bebe_cocaFoi enterrado, em Cosmópolis, São Paulo, o corpo do bebezinho de quase dois meses morto pela mãe. Ela colocou uma porção de cocaína na boca da criança. Quem foi ao velório parecia não acreditar na história. A família não quis gravar entrevista e o pai diz que estava viajando. Victor Fernando ia completar dois meses, quando foi encontrado no chão do banheiro. Ao lado do corpo, 21 pinos de cocaína. A mãe, Nayara Fernanda Bezerra, de 21 anos, foi presa em flagrante. Os vizinhos estranharam a movimentação na casa e chamaram a polícia. Uma mulher chegou a ver o bebê no chão, com a boca espumando
.

No bairro onde o casal morava, muita revolta. A mãe disse que não usava drogas há 15 dias, mas teve uma recaída. Confessou ao delegado que colocou uma porção de cocaína na boca do bebê, que morreu intoxicado. O casal morava na cidade há três meses.
Na Promotoria da Infância e Juventude de Cosmópolis não tinha nenhuma denúncia de maus tratos contra a família. Se tivesse, a história poderia ter sido diferente. O Estatuto da Criança e do Adolescente é claro: crianças não podem conviver com pais usuários, que coloquem em risco a vida deles. Nayara Fernanda Bezerra continua presa. O pai do bebê prestou depoimento e foi liberado.Além da criança que morreu, o casal tem outro filho de um ano e dois meses, que mora com a avó materna.
Hora 1

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ATENÇÃO LEITOR: O Blog não se responsabiliza pelas opiniões e comentários. Em geral, o nosso Blog não analisa nem endossa o conteúdo dos comentários. Não permitimos o uso de linguagem ofensiva, spam, fraude, discurso de violência, comportamento violento ou negativo, conteúdo sexualmente explícito ou que invada a privacidade de alguém.

IMPORTANTE: Este Blog aceita comentários anônimos mas repudia a falsidade ideológica. Recomendamos aos leitores utilizarem o seu nome, sobrenome e e-mail (caso tenha algum), dos quais sejam legítimos para identificação.