segunda-feira, 20 de julho de 2015

TSE selará destino de Mossoró e poderá devolver Cláudia Regina à prefeitura

Cláudia Regina poderá voltar.O destino político de Mossoró deverá ser selado na volta do recesso do Tribunal Superior Eleitoral, em agosto. A cerca de um ano da eleição municipal de 2016, os ministros da Corte vão decidir se Cláudia Regina e Rosalba Ciarlini cometeram ou não crime eleitoral no pleito de 2012.
As consequências da decisão equivalem a um terremoto de magnitude política que só o País de Mossoró consegue produzir.

Fontes ouvidas pela reportagem do portalnoar.com que acompanham o andamento processual do caso em Brasília esperam que os 12 processos que emparedaram Cláudia Regina sejam julgados em bloco e numa única sessão.
Eles já estão instruídos, o que significa dizer que estão prontos para julgamento. Em pelo menos dois deles, a ex-governadora Rosalba Ciarlini é também parte demandada. Até aqui, as duas estão com os direitos políticos suspensos. Mas há uma intensa agenda de bastidor para reverter o quadro.
Os efeitos da decisão já começam a ser considerados. A primeira implicação do julgamento é se Cláudia Regina cometeu ou não crime de abuso de poder para se eleger prefeita em 2012. Se os juízes eleitorais entenderem que a cassação da prefeita foi equivocada, restabelecem-na ao Palácio da Resistência, tornando sem efeito a eleição suplementar que anabolizou o então presidente da Câmara, Silveira Júnior, ao patamar de prefeito.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ATENÇÃO LEITOR: O Blog não se responsabiliza pelas opiniões e comentários. Em geral, o nosso Blog não analisa nem endossa o conteúdo dos comentários. Não permitimos o uso de linguagem ofensiva, spam, fraude, discurso de violência, comportamento violento ou negativo, conteúdo sexualmente explícito ou que invada a privacidade de alguém.

IMPORTANTE: Este Blog aceita comentários anônimos mas repudia a falsidade ideológica. Recomendamos aos leitores utilizarem o seu nome, sobrenome e e-mail (caso tenha algum), dos quais sejam legítimos para identificação.