domingo, 19 de julho de 2015

Em gravação, testemunha-chave de chacina no RN pede para não morrer

Mulher foi amarrada numa árvore numa região de mata fechada. Chamas atingiram as penas da vítima, que foi socorrida em estado de choque para o hospital (Foto: Gilmar Santos/Inter TV Cabugi)O telefone celular de um policial civil gravou a voz de uma mulher suplicando para não ser assassinada. O atentado aconteceu na noite desta sexta-feira (17) numa região de mata fechada no bairro de Nova Parnamirim, na Grande Natal. “Não... não... comigo não... comigo não.. Não faz isso comigo não...”, implora a vítima (ouça o áudio). Ainda segundo a polícia, a mulher que escapou da morte é considerada testemunha-chave da chacina que vitimou cinco mulheres dentro de um prostíbulo na zona rural de Itajá, cidade distante 200 quilômetros de Natal.
"A mulher é irmã do comerciante Francisco de Assis Júnior, de 38 anos. Mais conhecido como ‘ET’, ele foi preso na manhã da sexta-feira em Macaíba, na região Metropolitana da capital, e está sendo apontado como o mentor da matança", confirmou o delegado Normando Feitosa.

O áudio, que tem 45 segundos, foi gravado por um policial civil no momento exato em que a mulher estava sendo amarrada numa árvore. O agente ligou para ela ao retornar duas chamadas que feitas para o telefone dele. Como estava dirigindo, o policial não atendeu de imediato. Depois, quando parou o carro, ele tentou falar com a mulher. De alguma forma ela atendeu no momento em que estava em poder dos criminosos. A polícia explicou que o celular do agente possui um aplicativo que capta, automaticamente, todas as ligações que ele faz e recebe.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ATENÇÃO LEITOR: O Blog não se responsabiliza pelas opiniões e comentários. Em geral, o nosso Blog não analisa nem endossa o conteúdo dos comentários. Não permitimos o uso de linguagem ofensiva, spam, fraude, discurso de violência, comportamento violento ou negativo, conteúdo sexualmente explícito ou que invada a privacidade de alguém.

IMPORTANTE: Este Blog aceita comentários anônimos mas repudia a falsidade ideológica. Recomendamos aos leitores utilizarem o seu nome, sobrenome e e-mail (caso tenha algum), dos quais sejam legítimos para identificação.